quinta-feira, junho 05, 2008

À noite


Preferia a noite quando, insone
inventava palavras de amor
(que não me dizias)
palavras em carne viva que arrancava de mim
para serem tuas, no diálogo sério e louco
dos que amam sozinhos, dobrados sobre si
amor em dobro, pesando sobre a alma só.

Confesso...

Inevitável é te amar
já não luto mais.
Desamparada do teu amor,
ainda agora um conto que leio
de outros personagens,
entrego-te as palavras que sempre foram tuas,
sem eco em ti, no entanto.

Preferia as noites
quando a melancolia em meus olhos dormia
e as estrelas ouviam uma voz,
ora alta, ora em murmúrios,
o diálogo louco de uma alma só,
como se fora duas,
amando na noite, imersa na madrugada
enquanto as flores amanheciam...

Inevitável...

Elegia do amor que, a um novo dia,
repousa calada em minhas pálpebras feridas de luz,
feridas de toda certeza deste inútil querer.

Até que chegue novamente a noite
e o oceano rubro das palavras enovele
minha voz solitária em tua imaginária voz.
no denso silêncio, o perfume escuro das rosas
enfeita o intento meu
de desadormecer o teu amor.

Imagem: Diego Prado (flick)

24 comentários:

Zeca disse...

À noite, liberados pelos sonhos, ousamos amar mais, "enquanto as flores amanheciam..." Beijos.

» NaY « disse...

Belo e triste.
Retrato fiel de alguns dias que vivi.

Xerus
=***

Mimi disse...

Eu sussurei, falei, gritei. Meu eco nunca me respondeu; continuo amando, mas agora parei de falar.

Ainda bem que escreves palavras que falam por mim.

Muito bem escritas, por sinal.

Beijos

Angela Ursa disse...

Belíssima essa foto das flores em sépia! E o poema é um par perfeito. Beijos da Ursa :))

Vítor Amado disse...

A noite (re)inventa palavras de amor...
bom fim de semana

Claudia Perotti disse...

Noites que nos envolvem em sonhos de amor.
Lindo!

Beijinhossssssssss

david santos disse...

Excelente!
Realista e diz-nos algo que todos nós, de uma forma ou outra, já conheceu.

Parabéns.

Eärwen Tulcakelumë disse...

Saboreio as palavras que usas com maestria. Lindo!

Pérolas incandescentes de inspiração.

Eärwen

Hermínia Nadais disse...

Falar de amor é bom demais! Sei que há amores que nos traem... mas o Verdadeiro Amor nunca nos deixará sós. Voemos nas suas asas... e... mesmo a chorar... seremos felizes.
Bjitos, Hermínia

meumundoenadamaisevellyn disse...

Saramar,
Obrigada pelo seu comentário no meu texto do Desabafo de Mãe.
Adorei seus poemas.
Beijos e boa semana

Cadinho RoCo disse...

A ceteza do despertar faz com que acreditemos na virtude do sono.
Cadinho RoCo

Odele Souza disse...

Inevitável é também elogiar um poema tão bonito.

Sonia Regly disse...

Saramar, pode escrever um livro eu compro!!! Compro e distribuo para minhas amigas. Coloquei post novo lá no Compartilhando as letras, apareça por lá.

Mimi disse...

Prefiro nada comentar. Comentar aqui, é também confessar o que sinto.

;-)

beijo, Saramar

(ah, já viste a Máclarinha-minha QQ-mãezinha, né?)

osátiro disse...

Blog muito bonito e cheio de sensibilidade!

wander disse...

Majestosos sentimentos...como sempre querida.Adorei.

elisabete disse...

Fada

faz-me voar de fato!!!
como me identifico........


aparece!

Voodoo disse...

Querida amiga Saramar,

O tempo não a meu favor, mas não poderia deixar de passar aqui para te desejar um feliz dia dos namorados.
bjs

Marco disse...

Saramar,
fico impressionado com a sua fonte inesgotável de excelentes poemas. Meu Deus! Como é que pode? Voc~e já deveria estar publicando faz tempo, sua obra é consistente, muito mais do muita gente que tem livros publicados por aí!
Continuarei aqui, clamando por justiça! Saramar em livro, já!
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Sonia Regly disse...

Lindo poema, sensível e maravilhoso!!! Coloquei um lindo poema do dia dos namorados, apareça por lá!!! Sua presença é uma honra!!!!!

Magui disse...

Foto lindíssima. Qt ao poema, amar devia ser só liberdade.

Bruxinhachellot disse...

Inevitável é não se apaixonar por suas palavras.

Bjs de chuva.

' arcano disse...

Suas palavras são tao gostosas, de uma forma estrutural dizem muito mais do que voce tenta descrever. Basta sentir!

Alexandre R Almeida disse...

memorial as palavras do sentimento
borbulha amor em todos os colapsal do espa;o do universo cideral de todas as dimensao