domingo, julho 20, 2008

Absurdo querer


Depois do absurdo querer que se abriu sobre mim,
céu de desconhecidas luzes,
molhe dos mares do mundo inteiro de me recolher,
conheci os maiores segredos dos deuses felizes e ignorados:
esperar, ao final das horas,
o carinho ora tenso,
ora o laço de me enredar,
os braços do meu amor,
onde me perco e me prendo.

Nada é mais preciso que sonhar esse sonho,
e ver as nuvens que nos olhos dele passaram,
flores,
vestígios da língua dos amantes
solta em música, em dança.

Depois de saber desses segredos,
a vida anda na trilha encantada dos desejos,
em teia de amor envolta.

7 comentários:

Claudinha disse...

O amor é um grande laço, um passo "pruma"armadilha...

E você se prende e se perde e se acha em poesia, pura poesia...
Lindo, como sempre! Beijos!

moacircaetano disse...

lirismo na veia...

Odele Souza disse...

Vim me abastecer de tua poesia, e como sempre, minha alma sai daqui mais leve.

Um beijo e boa semana.

Anônimo disse...

Saramar querida poetisa, preferida minha.
Vc sempre me acompanha, com seus escritos, refletindo o meu eu.

Renata disse...

Que coisa mais linda.. saudades de vir aqui e receber toda a intensidade de seus sentimentos...lindo mesmo!!!

Bjo, querida!!!

Zeca disse...

Tão belo poema de amor,
deixa saudades do não tido,
vontade do que não sei,
ânsia de muito querer.

Beijos.

Gversátil disse...

lindo como sempre fazia tempo q não passava por aqui!sinti saudade!adorei a pintura!