domingo, setembro 18, 2005

Um domingo


O primeiro post é como um primeiro verso do mais lindo poema que esperamos escrever. Surge um tremor/temor, porque já pressinto todas as bobagens que ficarão registradas. Ainda bem que meus blogs não são um sucesso de público. Pelo contrário, são um fracasso total. Apenas uns poucos conhecidos fazem uma visitinha, por mera cortesia. E, como todas desta categoria, é uma visita que não envolve prazer, por isso, é rápida, superficial e cheia de enfado. E, também é única. É como uma visita hospitalar, menos os cheiros.
Ainda mais, porque tendo a ser prolixa, não consigo escrever apenas duas frases, como é chique nos blogs. Começo e vou, vou, vou até me cansar. Entretanto, juro que não vou divulgar esse blog. Esse realmente vai ser só meu. Vou sangrar aqui, já que não tenho com quem fazer isso. Mas, espero chorar de rir também. Porque ninguém é de ferro. E vou postar fotos sim, afinal de contas, gosto demais. Inclusive, a minha, aquela única que tenho.
Chega, por hoje, ou por agora, sei lá.

3 comentários:

Nômade disse...

Pô Saramar,

Se os posts chiques devem ser curtos.

O que vc não diria num futuro sobre um longo comment?

Estou envergonhado.

Sorry.

Anônimo disse...

Meu Deus!

E não é que o primeiro comment foi meu!
Quero minha carteirinha de fan, com foto autografada e tudo.
Listen to your heart,
é Natal.
bjs.

neo-orkuteiro disse...

Vim conhecer a gênese de seu blog, Saramar.
Sem surpresa, encontro-a bem humorada e conversadora.
Nada de não haver prazer em visitar você. Eu sempre derivei gostosos momentos como seu leitor, desde o GO, onde vim a conhecê-la.
e sempre li, ainda que nem sempre comentasse.
Ao correr vista pelo conteúdo total, vem-me a impressão de agora conhecer você bem melhor. Bom isso, já que só virtualmente nos conhecemos.
Ah já estou na minha costumeira prolixidade outra vez. Xapralá.