quarta-feira, novembro 08, 2006

Hoje

Hoje na madrugada, amor,
se estivesse comigo,
suas mãos nas minhas,
sob essas estrelas,
eu provaria o sal que trouxe em sua boca
como se deuses,
em noite de benevolência,
movessem o mundo para nosso deleite,
como se amar fosse simples e terno, apenas.


Hoje, amor, queria um outro tempo,
movimentos convergentes
e meus pés tocando os seus.
Imagem: François Bouchet

6 comentários:

marconi leal disse...

Aquilo de que mais gosto no teus versos, Saramar, é da cadência boa, inebriante. Estes versos finais são como música. Beijos.

Anônimo disse...

Saramar:
Hoje como ontem,
amanhã como sempre,
a esperança de amar,
assim, eternamente...

Beijão
OPaulo

Tiago disse...

esse lance dos pés é o que há. beijo.

G. Pinheiro disse...

Também queria tudo isso aí, viu.

Beijo, bom final de semana

Moita disse...

A nova Cecília Meireiles,
está arrasando.

Eu esgotei o estoque de elogios.

1 milhão de cheiros

Marco Santos disse...

Que delícia...
Se você fosse a minha Cyrano, eu aproveitaria os seus versos para a minha Roxane...
Beijos procê.