sábado, novembro 11, 2006

Tristeza


Foi ilusão, agora percebo. As horas que imaginei, de amor, só imaginação foram. E aqueles beijos, nada mais que veneno celebrando minha perdição. Têm razão os ascetas que se escondem em paragem única e assim não podem se perder. Trancada a alma, cegos os olhos e mortos os lábios, deixam-se levar pelo vazio que guardam em si. Não sofrem, não fazem sofrer. Foi ilusão, já sei. Os mares e seus tesouros enfim revelados são áspera descoberta de baús desvendando sangue. Foi ilusão, eu vi. E perco o alvoroço das horas e as cores dos dias. É o circo que se vai, levando todas as cores, todos os risos de todos os palhaços, todas as mágicas. Aqui, do círculo de alegrias, só uma indelével marca no chão.

10 comentários:

Anônimo disse...

As vezes os sonhos e ilusões remetem-nos para estágios de sentimentos inegualáveis.
É bom a capacidade de (apenas sonhar). Mesmo que a desilusão depois nos bata a porta, nada, mas nada nos consegue dominar o sonho

Machado de Carlos disse...

sensibilidade, perfeição. Gosto de seus sentimentos.

Rose disse...

Saramar,

todos temos dias assim, desilusões, desamores...


Mas amanhã o sol brilha.

beijos

**C@tuli-> disse...

Ai, ai...
Esse texto tem tudo a ver com o que estou sentindo hoje...
Um beijão e ótimo domingo!

DE PROPOSITO disse...

Tristeza, ilusão, circo. É interessante falar-se do circo como algo que propaga a alegria e não se fazer alusão à vida das pessoas que trabalham no circo. Certamente que não é uma vida muito alegre, andar com a casa às costas como o caracol, hoje aqui, amanhã ali, os filhos sem escola certa, 8 dias , 3 semanas acolá, e depois vem o insucesso escolar. E as amizades, como as criar, são pessoas nómadas.
Por isso eu digo 'onde está a tristeza'
Fica bem.
Beijinhos
Manuel

Ceci disse...

SARAMAR,menina, no momento dos beijos, dos carinhos tudo deve ter sido bem verdadeiro...Só que nós humanos queremos eternizar os momentos, e eles são momentos, não acha? Outra coisa: acho que os ascetas também sofrem, de outra maneira, nos seus esconderijos a dor se faz presente. Ninguém escapa ao destino humano de dor e prazer, em ciclos, penso eu. Teu texto é provocante, gosto de como escreve, enchendo nosso pensamento de faíscas luminosas. Abraços.

B R E N A disse...

Tava com saudades dos lindos textos de Saramar. Vim tomar um ar de boas coisas por aqui... Beijos. Vou continuar lendo os outros aí pra baixo.
Lindo lindo lindo

Jôka P. disse...

Saramar,
um beijôka e uma ótima semana pra você e sua mãe, minhas queridas amigas !

Doidera disse...

tranca a alma não ... solta, junta do chão! Começa tudo de novo!
adorei o cheiro de deliciosa poesia daqui!

Marco Santos disse...

Eu não quero sentir esta sensação, querida saramar. Já a senti e garanto que não é boa. Minha amada faz parte de mim, de minha pele, de minhas entranhas. Se ela se for... Meu circo será terreno baldio.
Beijos procê.