quinta-feira, outubro 18, 2007

Memória

sempre esqueço a senha,
a data, o nome da música,
sempre me perco nas ruas.
sempre perco a hora e as chaves.
sempre esqueço abertas, as portas.

por outro lado,
(como dizem os advogados,
os sabe-tudo,
e os renomados solitários)

nunca te esqueço,
nem do dia em que nascemos juntos.
nunca esqueço dos pecados disfarçados.
nunca esqueço dos encontros marcados.

Se perco as chaves, tu sabes,
é que não conheço grades,
senão das minhas mãos nas suas.

Imagem: M. Ellen Cocose

Convido-os a ler um outro poema aqui.

11 comentários:

Moura ao Luar disse...

Beijos querida, que a memória sempre guarde os momentos

Ana Luiza disse...

Se perco as chaves, tu sabes,
é que não conheço grades,
senão das minhas mãos nas suas. QUE LINDO!! Poetisa que fala com o coração e toca o meu coração com as palavras, como se fossem música. Que prazer te ler, minha amiga. Beijo grande.

Bichodeconta disse...

Lindo poema, como quem se despe de emoção e deposita a vida na palma da nossa mão.um beijinho

Yvonne disse...

Você só esquece o que não é importante, já o amor ...
Beijocas

Edna Federico disse...

A gente nunca esquece aquilo que realmente importa...
Beijos, beijos

adelaide amorim disse...

Saudade de teus poemas, viu? Este por exemplo, uma delícia de ler e sentir. Beijos e ótimo fim de semana.

cris disse...

lindo demais.

DE-PROPOSITO disse...

nunca te esqueço,
--------------
Poderá ser; um 'nunca te esqueço', esqueçendo de esquecer.
Felicidades

Márcia(clarinha) disse...

Não se esquece o que nos dá felicidade.
lindos e felizes dias doce Saramar
beijos

Kiara Guedes disse...

Não me deixe esquecer de vir mais vezes aqui...rs
Abraços

Raquel disse...

Olá!!
Adorei o blog!
Voltarei!
Beijos