quarta-feira, maio 10, 2006

Ausências

Confesso que ando cansada de perdas. Algumas, causei, em minha ânsia por atenção; outras me foram impostas. De todas me cansei. Sou fraca, sou triste e não posso mais sustentar essas ausências. Pesam, pesam demasiado em mim e inutilizam meus braços, cegam-me, atrofiam meus desejos, num retorno contínuo a lembranças e sonhos mortos.
Falo daquelas ausências que nunca se completam, que nunca são de verdade porque deixam rastros, traços, rasgos e permanecem, mais presentes, postas quase sob minhas mãos, vazias, tão vazias. E seus cheiros e seus sabores não se vão, não se vão nunca.
Alguém disse que sou feita de escuridão. Mas, concluí que, antes de escuridão, sou feita de ausências, desses pedaços que levaram de mim. Sim, o barro que me constrói vem desses pedaços que me faltam, levados por todos aqueles a quem amei e que mais não estão. São ausências, assim como eu.
Quanto às luzes, busquei-as em outras pessoas. Inutilmente.

Imagem: Rembrandt

15 comentários:

Moita disse...

Todas aquelas ausências
que nunca me completaram,
são, sem querer, a essência
dos braços que me arrancaram.
Cansei, sou fraca, sou triste,
mas nada disso me dói.
Os pedaços que me faltam
São o barro que me constrói.

DO disse...

Dizem que as luzes estão dentro de cada um de nós,SARAMAR.
Um dia espero que as minhas acendam,hehehe
Muito obrigado pelas palavras.
Fiquei muito feliz.
Beijo grande!

Só mais um Cortez... disse...

WOW!
Belíssimo texto...
Belos sentimentos...
Obrigado pela visita e pelas palavras deixadas nos Meus Desvaneios... Cheguei a ficar "sem graça" com o teu comentário...
(:-#)
Beijos carinhosos!

Ritoca disse...

Oi Saramar!

Vc se supera a cada dia. Que texto lindo! Nem tenho palavras para comentar, me emocionei. É ler e sentir...
Parabéns! :)
Um dia lindo para vc.
Bjs,
Ritoca

Rose disse...

Saramar,
Encontrará alguém que não se ausente, nunca.

beijos

Ceci disse...

Saramar, somos também a soma das marcas positivas de tanta gente que encontramos no nosso Caminho. Porisso, alegre-se com sua beleza única, retirando da fraqueza a força para a construção. Muito forte a reflexão "
Os pedaços que me faltam
São o barro que me constrói"
Meu abraço fraterno.

mamanunes disse...

Saramar minha querida invasora...Como é que vc pode escancarar assim minha alma? Seus poemas, escritos, 'Eu amo'...
Liga não, sempre fico assim, boba quando te leio e, ainda mais boba, quando recebo sua visita.
Obrigada amada.
Beijo e beijo

Zé Carlos disse...

Olá Saramar... o importante é que vc mesmo se deu e nos deu a receita para situações semelhantes: Quanto às luzes, busquei-as em outras pessoas juro que este foi o únco caminho que para mim funcionou e hoje posso dizer que sou um iluminado e feliz.... Busque-as novamente e encontrará a vida!!!!
Ah! Obrigadão pela visita... bjs do seu amigo, ZC

Gorda disse...

Saramar, eu não sei comentar literatura. Só posso dizer que gosto do leio. Um abraço.

mamanunes disse...

Querida, não resistí. Você é destaque no meu blog hoje. Já disse, quero espalhar você (no bom sentido) rssss
Beijos

Caio disse...

Está muito Lya Luft.

zenite disse...

Como se pétala magnífica caída e arrastada pelo vento
sobre o chão seco, duro, frio, do silêncio-dor
que veste a solidão de todas as ausências.


Gostei.

Rubo Jünger Medina disse...

Um sentimento de perda muito acentuado, enfatizado. Seria, talvez, rejeição transformado em perda?
Beijos.

+ Kazzx + disse...

Cara Saramar:

Achei muito triste , porém belo como sempre...

Bjs

vera disse...

Buscar, buscar e se não achar... Olhe em torno!!! :-) Beijão!