terça-feira, agosto 07, 2007

Ensina-me

Como enganar os dias solitários
e a alma árida?
A lembrança do que não foi,
como um filme interrompido após os letreiros iniciais?

Como enganar a vontade dos beijos
que inventavam saudades para mais tarde
e de que nem sei o sabor?

Como enganar essa dor
dos signos não desenhados,
de não ver o chão que queríamos marcar com nossas palavras?
Tudo areia, tudo. O mar levou.

Como enganar as mãos ansiosas pelo
corpo de moldar em angústia de paixão
e detê-las antes do gesto inútil,
do gesto sem lugar, sem porto, sem corpo de tocar?

Como enganar meus sonhos, se
"você é a palavra única que ando pronunciando"?

Ensina-me onde me esconder da saudade,
se não tenho braços de me acolher?

Imagem: Daeni Pino

27 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Se descobrir as respostas me avise... sempre intensa minha gurua.

cilene disse...

Nesse caso nao dar para enganar a gente mesmo,nao e?

Ritoca disse...

Oi Saramar!

Como enganar? Só se a gente parar de sentir....
Lindo post. Vc é espetacular. Quando eu crescer, vou querer escrever coisas lindas assim...

Bjs da sua fã

Anônimo disse...

"Ensina-me onde me esconder da saudade,
se não tenho braços de me acolher?"

você é perfeita nas palavras!

elisabete cunha

Jota Effe Esse disse...

Não desanimes, o mesmo mar que leva é o mesmo que traz. Um beijão.

Edna Federico disse...

Fico sem vir um dia aqui e dá uma saudade!!!! sorriso
Não dá pra enganar, né...sem que esperamos eles se revelam.

Tina disse...

Oi Saramar!

Não dá, não dá mesmo...e o coração não enxerga. Adoro ler você, parece que me encontro em todos os versos.

beijos querida, obrigada.

Mari disse...

Oi,querida
Que lindo!realmente não dá mesmo para enganar...mas,o que é a vida senão uma grande enganação?
grande beijo

teresamaremar disse...

Será, como diz o Jota Effe Esse, que o mar que leva é o mesmo que traz?



Há barcos para muitos portos, mas nenhum para a vida não doer, nem há desembarque onde se esqueça.

Fernando Pessoa
in Livro do Desassossego

adelaide amorim disse...

Ando longe dos amigos poetas, tempo curto, computador dando pane - enfim, uma conspiração... Bonito poema, Saramar, e triste.
Beijo grande e saudoso.

Renato disse...

Ola Saramar. Sou novo por aqui e gostaria muito de recebr a sua visita. Não sou poeta apenas colho o que acho bonito na web e resolvi fazer das minhas manias um blog. Seu espaço é lindo e seu potenbcial gigante. Parabens.

Yvonne disse...

Também queria que alguém me ensinasse. Beijocas

Anne Baylor disse...

Como???
COmo??

Lindo demais.
Suspirante apenas...

Beijos Saramando..

=]

Sueli disse...

Beijos que inventam saudades para mais tarde ... Saramar, que Deus proteja sua inspiração! como amo o que você escreve! Beijo!

gina... disse...

Olá Saramar, vim agradecer o apoio e o cainho que recebi de vc nesse momento tão dificil de passar, Conto com seu carinho e suas orações. Hoje vim apenas agrsdecer, prometo que depois volto para visitar o seu cantinho. Beijos carinhosos

Leonardo disse...

Well,saudades de vc, minha musa.

Edson Marques disse...

Saramar,



Belíssimo poema!

Concordo também: é impossível enganar os sonhos...



Abraços, flores, estrelas..


.

Nena disse...

ah, mas quem se engana????

beijo carinhos nas lindas palavras

ALF disse...

Se descobrir me ensina também.

Quero aprender...

=D

Lindo texto.

beijos

Bichodeconta disse...

Não há como enganar amiga.. Não mesmo. Essa intensidade no escrever, esse talento que brota de ti é uma benção.. Voltarei como sempre...Gosto muito de te ler..

Poemas e Cotidiano disse...

Que lindo texto minha amiga, florindo em sensibilidade, com voce.
Voce eh tao delicada e tao terna!
Um beijo carinhoso
MARY

Esyath disse...

SARAMAR

Acho que não há como enganar a saudade do amor... Resta-nos apenas vivê-lo... Nem que seja aos poucos, como prestação de crediário, quando sorrimos, abraçamos, sonhamos, esperamos...

Beijos (Des)conexos!;)

Claudia Perotti disse...

Querida,

Levo comigo os mesmos questionamentos...

Bonito, intenso e dolorido!!!

Boa semana!

Beijinhossss

Ana Luiza disse...

E eu, suspirando aqui... ai...ai.... Menina, que gosto dá em te ler, viu? Sonhos, saudade, beijos... tudibom, pra ti. Beijos, flor.

suruka disse...

Dificil essa arte de ensinar
a enganar as ausencias ou os desejos.

Penso que o melhor é não aprender.

Belas palavras as tuas.

bjs

Glênio Gangorra disse...

Um texto interessante digno de uma liberticida reacionária imperialista que quer ver o povo entregue à sanha assassina de Bush. Nós, defensores do movimento democrático nacional-socialista bolivariano, lutaremos até a ultima gota de sangue contra tal igonímia.

Marilac disse...

Oii eu vivo um amor a distancia, então nem preciso dizer o quanto me emocionei com esse poema..lindo, intenso! Esses questionamentos tb são os meus!
Cheguei por acaso no seu blog e amei! Vc escreve muito bem!
Bjs