quarta-feira, abril 18, 2007

Carta de amor


Amor,

bem queria dizer meu, meu amor, meu, só meu, mas essas solidões a que me obriga e o silêncio onde morrem meus beijos, esses lábios selados e (rendo-me), aqueles lençóis desamarrotados não me permitem usar o possessivo pronome do amor de dois.
Já molhei as flores, o jardim está grávido de perfumes. Mas, se se demora, parte-se o jardim, esvai-se em outonos e ficam umas borboletas apenas, meio perdidas e esperançosas de alguma cor. Fico também, uma borboleta estranhamente desproporcional como é desmesurado esse amor, essa espera de você.
Tenho novidades que nem imagina: sonhos diferentes e música que inventei para cantar baixinho quando você chegar. Não, não direi mais nada. Quem sabe assim, curioso, venha em Pésago montado e eu o seduza, para sempre amante e amado?
Aprendi a desenhar mapas e vou lhe ensinar o caminho do éden (sem remorso, só os pecados).
Ninguém morreu por esses lados. Aqui, apenas desmaios de sol (como em poemas antigos) e beija-flor que parece suicida de tanto se afogar em doces águas. Mas não é nada além de felicidade.
Eu é que ando triste, dessas tristezas dramáticas que enxergam cinzas e que se querem transferir para o resto do mundo, por não se conter onde nascem.
A família vai bem e quase não há brigas. Beijos há demais, em lindo despudor, que os pequeninos andam namorando que dá gosto (e inveja também). E você é o culpado pela perdição da minha alma.
Sem mais para o momento, recuso a despedida e ouso chamá-lo: vem.

Imagem: Kilburne

12 comentários:

Anônimo disse...

Querida Saramar,
não imaginas o quanto é bom viver com duas horas de atraso!!!! Só assim, se insone, ou se cedo desperto, tenho a felicidade de primeiro ler as palavras de amor que me tocam tanto.
Um abraço
Leila Jalul

Renata disse...

MARAVILHOSO!!!!!!!!!!!!
Um pouco de romantismo faz uma falta, né...Adorei, me senti no meio de um filme antigo bem romântico!

bjo!

Fernando Pinto disse...

Podes colocar esta carta no meu marco de Correio?

(risos)

Beijinho,
Fernando Manuel

Ursula disse...

Uau, q carta. Sortudo quem a receber..rs
Beijos

Ana Luiza disse...

FELIZ DIA DO AMIGO, Saramar. Bj grande.

Marco disse...

Saramar, Saramar... Eu não sei o que eu faço contigo.
Sou um privilegiado. eu e poucos que vem aqui. A nós, sabe-se lá porquê, foi dado o prazer de provar do jardim de suas delícias.
Cada vez que venho aqui saio com a vontade de nunca mais escrever nem bilhete para a lavadeira.
TODOS os seus poema são belíssimos, e mais: traduzem coisas, aspectos e momentos que gostaríamos de escreve e desta forma!
Rendo-me, amiga. Sou teu devotado súdito.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Flávio disse...

LIndo! E bem observado: por que será tão possessivo o pronome, no amor de dois? :)

Angela disse...

Querida Saramar, a tua carta é lindíssima.
É impossível ficar indiferente ao que escreves.
Tal como o Marco me confesso tua devotada súbdita.

Se puderes, passa pelo meu blog porque tenho lá uma surpresa para ti.

Um grande beijinho para ti doce poetisa.

Élcio disse...

Q coisa masi boa foi encontrar esse seu espaco.
Adorei seus posts, seus poemas, sua sensibilidade!

Voltarei + vezes.
É vero.

É isso ai poetisa!
Bjs

katia disse...

menina vc tocou fundo o meu coração...e despertou em mim sentimentos muito bem guardados. Boa semana. Bjus

Sueli disse...

Sa, impossível impedir uma lágrima teimosa ... (emocionei-me demais!) Beijo grande!

Anônimo disse...

parabens esta lindo pois nesse mundo peverso ainda existe anjos como vc para nos dar alegria paz e compreesao que DEUS continue a iluninar teus caminhos