domingo, julho 29, 2007

Presentes de amor



Meus amigos, meus queridos, sempre compartilho aqui, os presentes que recebo e que me tocam a alma. Todos os presentes que já mostrei estão guardados num canto iluminado da minha alma e no espaço especial, só meu, onde os deixo para meu deleite. Quando estou triste, ou ansiosa, refugio-me neles para me refazer com o amor dos meus amigos.

Ontem recebi dois presentes. Um deles, vivo, voando em minhas mãos, o cheiro enchendo o ar, desde a calçada (até os vizinhos notaram) e eu já o sabia saboroso antes mesmo de olhá-lo. Um namorado.

Antes de descrevê-lo, tenho que falar de como é difícil amar de longe. Eu não sabia. Não sabia dessa vontade de olhar nos olhos e dizer "obrigada por existir". Nem imaginava que fosse possível admirar e se apaixonar à distância.

Que bobagem! Claro que é possível porque temos as palavras, coisa mais divina não há.

A voz que nunca ouvimos está nas palavras,
os olhos que nunca miramos podem ser admirados nas palaras,
o carinho sempre encontra seu destinatário através das palavras.
Em uma palavra, encontramos a beleza. Basta uma.

Desculpem, meus amigos por falar tanto. É que estou feliz daquele jeito que quem me conhece sabe. Estou boba de felicidade.

Ontem, depois de longo vôo, pousou em minhas mãos, "SUINDARA". Veio direto do Acre para minhas mãos e olhos ansiosos. Trata-se do livro da minha querida, admirada, amada amiga LEILA JALUL. Meu mais novo namorado, que hoje acarinhei o dia inteiro, de forma especial.

Leila é escritora, poeta, artista plástica e escreve, em jornais, blogs, sites, nos muros, na alma da gente, as suas palavras de encantamento, de verde feitiço daquele povo da floresta. Escreve também as lidas da mulher, no chão, na fazedura do pão, no urdir do amor. Tudo ela sabe e quase tudo diz.

Falei em dois presentes. Além do meu mais novo namorado, o livro SUINDARA, Leila ainda escreveu que estou lá entre seus carinhos, na apresentação. Eu vi ontem. E perdi as palavras entre as emoções, as lágrimas felizes e um amor de longe, mas imensurável. Só hoje, consegui falar.

Obrigada minha amiga.

Por favor, vejam sobre o livro aqui: SIUNDARA

10 comentários:

Rose disse...

Querida Irmã Sara....

presentes assim, que te deixam nesta alegria imensurável, com toda razão, é exatamente o que você merece por ser este coração brilhante e esta alma de luz...

Que Deus te Abençoe muito, mas tanto, que breve você possa fazer seu próprio livro... e eu vou querer um.

beijos no teu coração

Jota Effe Esse disse...

Vale a pena apaixonar-se por um namorado assim, ele nunca te dará desgosto. Fico feliz só de saber de tua felicidade. Meu beijo.

Anônimo disse...

Saramar, fiquei numa ressaca braba. De alegria.
Mandei um texto bem mal escrito, porém revelador. Veja só, depois de tanto tempo de ausência e recolhimento, não tinha a menor noção do quanto que consegui tocar a alma de tantos amigos. Eles estavam lá. Poucos faltaram, talvez por justos motivos.
Olhe, menina, você foi peça chave para desentalar os meus temores. Você e mais esse magote de gente que consta do agradecimento.
Depois me conte sobre alguns textos, os inéditos, principalmente. Vale a crítica, vale o elogio.
Cuide de seu namorado.
Obrigadíssima por tudo.
Leila Jalul

Yvonne disse...

Que delícia de namorado. Esse faz um enorme bem e não dá problema algum. Beijocas

Zé Carlos disse...

Sara querida, minha amiga e nossa irmã....
Este é um só de tantos namorados que vc vai topar pela vida.
E nós aqui na torcida para que seja logo e que sejam muitos... vc merece querida, vc fez por tê-los e os terá com certeza.
Parabéns a esta escritora encantadora.
Bjs do Zé

Mari disse...

Oi,querida
Que vc continue a receber belos presentes iguais a esse..É o que fica em nossa vida:palavras de carinho,amor e amizade.
parabéns!
E depois nos conta como foi a leitura!
Bjs

cõllybry disse...

Presentes são sempre bem vindo...é assim a forma de retribuir a amizade...

Doce beijo

Pensando disse...

Puxa vida....um livro como namorado...eu nunca havia olhado um livro assim, por esse prisma freudiano. Mas confesso que gostei.
Gostei porque agora sei que a boaesposa não é mais minha namorada exclusiva, e confesso, adorarei tirar um pouco daquele sorriso de quem se acha dona exclusiva. rsrsrs. Magina, tenho namorados bem antes dela, bem antes, pois com 10 anos eu ja ganhava livros. O Soldadinho de Chumbo, em seu amor solitário e calado...puxa vida, são tantos anos comigo. Onde ele estará? Guardado em alguma caixa nos depósitos que a gente vai enchendo pela vida? Juro, me deu saudades dele. São centenas, guardados em estantes, em caixas, escondidas em quarda roupas e lugares que até já esqueci onde ficam. São companheiros silenciosos, que muito nos ensinaram na arte de viver, chorar, rir, e principalmente aprender como os outros pensam, e que portanto não somos os donos da verdade. E estão lá, onde podemos pegá-lo em qualquer momento e rememorar tudo o que eles nos ensinaram. Brigado, menina Saramar, amiga do Guto que veio me visitar. E eu, o melhor comentarista de blogs - hum, hum - deste país, gostei de ter vindo aqui.
Beijos

Pensando disse...

Agora que já falei sério, posso brincar um pouco. Não vim aqui antes pois com esse frio gelado que anda fazendo por aqui eu jamais iria visitar alguém que insiste em abrir janelas. Por favor, mante-las fechadas é o mínimo que necessito para não pegar uma pneumonia. Eu estava esperando chegar a primavera, quiça o verão, onde abrimos janelas para ver as moçoilas passando e deixar uma brisa fresca entrar.
Beijos

Ritoca disse...

Oi Saramar!

O melhor presente é a amizade sincera. É um momento mastercard, não tem preço!
Que bom que se ter amigos queridos que te fazem bem com seus mimos. Isso é uma felicidade!

Beijocas