quinta-feira, outubro 26, 2006

MILAGRE


Que é feito de mim e de meus temores,
quando o amor envolve
e perfuma minhas mãos?
Onde pisam meus pés senão em flores?
Borboleta, fui desde sempre,
porém imóvel e opaca.
Se hoje minhas asas brilham é pelo milagre
de renascer em suas ternuras.
Por ouvir a música que o vento canta em seu jardim
é que me deslumbro em vôos.
Sim, ainda é sonho.
Ainda devaneio sob estrelas, espantada.
Mas sei que, se me transporto em asas multicores,
é ao encontro do amor que vôo.


Imagem: Jorge Coimbra

8 comentários:

Daniela Mann disse...

Que maravilha de texto...
Sara, Vai comer um bolinho ao amar-ela que hoje é dia de festa!
Beijinhos

Marco Santos disse...

Querida Saramar,
Cada vez mais eu me surpreendo com suas letras...
É impressionante como sinto total empatia pelos seus escritos a ponto de desejá-los ter escrito! Este, então, mais que outros!
Parabéns, viu?
Você recebeu aqui, por indicação minha, a visita de duas jóias preciosas: a Claudinha e a Roby. Os blogs delas, como o seu, também são maravilhosos e te recomendo também.
Beijos!

Poemas e Cotidiano disse...

Que linda a borboleta que se encanta com um voo coberto de
ternuras. Lindo minha amiga, como
somente voce pode descrever, desse
seu jeito terno.
Um beijo carinhoso
MARY

Um Poema disse...

Ternura nas palavras, espelhos de sentimentos.
Um abraço

Bill disse...

Metamorfose da vida, romper as barreiras de um amor livre para voar...

Lindo demais... Encantador a forma que deu as palavras.

Lindo fim de semana pra tu.

:****

Anônimo disse...

Bonito, Saramar:
Seria possível um vôo de encontro,
amizade e amor, com todos os comentaristas da SARAMAR?

OPaulo

Anônimo disse...

Texto lindo, doce, delicado, perfumado e apaixonado.

Deslumbrante como sempre!

Beijo grande.

happiness...moreorless disse...

que poema lindo =)
sabe tão bem sonhar, imaginar...

bom fim de semana*
um beijinho